terça-feira, 7 de agosto de 2018

Pesquisa indica que 40% dos casos de câncer estão associados a sobrepeso


Dieta saudável e perda de peso ajudam a reduzir riscos Divulgação

Excesso de peso aumenta risco de desenvolver 13 tipos de tumor
03/10/2017 18:51:13
AFP - http://odia.ig.com.br/mundoeciencia/2017-10-03/pesquisa-indica-que-40-dos-casos-de-cancer-estao-associados-a-sobrepeso.html
Washington, EUA - Cerca de 40% dos casos de câncer detectados nos Estados Unidos em 2014 — mais de 630 mil no total — estão associados ao excesso de peso, indicaram especialistas nesta terça-feira, pedindo que as ações preventivas sejam intensificadas.
Em um país em que 71% dos adultos têm sobrepeso ou obesidade, as conclusões dos Centros para o Controle e Prevenção de Doenças (CDC) "são motivo de preocupação", disse a diretora da agência, Brenda Fitzgerald.
"A maioria dos adultos americanos pesa mais do que o recomendado, e ter sobrepeso põe as pessoas em alto risco de sofrer de diferentes tipos de câncer", disse em um comunicado.
"Atingindo um peso saudável e mantendo-o, todos podemos ter um papel na prevenção do câncer", acrescentou.
Está demonstrado que ter excesso de peso aumenta o risco de desenvolver 13 tipos de tumor, incluindo o câncer de esôfago, de tireoide, de mama pós-menopausa, de vesícula, estômago, fígado, pâncreas, rim, ovários, útero, cólon e reto.
A taxa de tumores associados à obesidade está aumentando, em contraste com a taxa total de casos de câncer, que diminuiu desde os anos 90.
O câncer colorretal foi o único câncer associado ao peso que diminuiu entre 2005 e 2014, com uma queda de 23%, em grande parte graças à melhora do diagnóstico, segundo o relatório.
O resto de casos associados ao peso aumentaram 7% na última década.
SAIBA MAIS
Aproximadamente dois terços dos 630 mil casos de 2014 associados ao peso ocorreram em pessoas de 50 a 74 anos, sendo as mulheres as mais afetadas, com 55% dos tumores diagnosticados associados ao peso, em comparação com 24% nos homens.
Segundo os últimos dados dos CDC, 32,8% dos americanos têm sobrepeso e 37,9% são obesos.
Uma pessoa é considerada acima do peso quando seu índice de massa corporal (IMC, o resultado da divisão do peso pela altura ao quadrado) é entre 25 e 29,9, e obesa quando o IMC é 30 ou mais.


quinta-feira, 5 de julho de 2018

Avatar do câncer



Médicos recriam, em animais, os tumores dos pacientes. O modelo é usado para testar os remédios mais eficazes para cada caso

20/04/18 - 18h00
Uma experiência pioneira no Brasil está sendo conduzida no Hospital A C Camargo Cancer Center, em São Paulo. Lá, pacientes começam a ter adicionado ao tratamento um recurso que vem sendo chamado de “avatar do câncer”. Uma amostra do tumor de cada um é reproduzida e cresce implantada em um camundongo, sob a pele ou no órgão correspondente do animal, funcionando como um espelho da doença. Em casos difíceis, a estratégia é valiosa. Por meio dela, os médicos podem experimentar contra aquele tumor específico remédios que podem ser mais eficazes e observar seu comportamento, inclusive agressividade, mas de forma que o corpo do paciente fique preservado de eventuais prejuízos que as tentativas possam trazer.

A aplicação clínica no A C Camargo começou há cerca de um ano e meio, em pacientes com tumores tradicionalmente mais agressivos, como melanoma (tipo de câncer de pele) e algumas variedades de tumor de rim. “O trabalho é inicial, mas os resultados são muito interessantes”, afirma a médica Vilma Regina Martins, superintendente de pesquisas da instituição, referência no combate à enfermidade no País.


“Os resultados obtidos até agora são muito interessantes” Vilma Martins, médica do AC Camargo Cancer Center

O que anima os médicos são especialmente as respostas que podem ser observadas em relação aos medicamentos. No avatar são testadas medicações novas, em geral com tempo de uso mundial insuficiente para conclusões definitivas sobre sua eficácia de maneira generalizada. Além disso, em muitos casos esses remédios funcionam muito bem para um paciente, mas não dão resultado, ou pelo menos não tão bons, para outro, apesar de o tipo de tumor ser o mesmo. “Os mini-tumores fazem parte da oncologia de precisão. Quanto mais personalizado o tratamento, melhor”, explica Luiz Henrique Araújo, pesquisador do Instituto Nacional do Câncer, no Rio de Janeiro. Em trabalho recente, o médico George Vlachoginannis, do Instituto de Pesquisa do Câncer, de Londres, atestou a eficácia do recurso. “Os modelos em animais funcionam como o tumor do humano. Por isso, são muito eficientes para que possamos estimar as reações dos pacientes”, disse à ISTOÉ. C.P.

Espelho perfeito
Como são feitas as amostras
 São extraídas células do tumor do paciente
 São injetadas em camundongos, de preferência no órgão correspondente ao atingido no paciente
 Após um período variável, o animal desenvolve tecido tumoral bastante semelhante ao registrado no doente


quarta-feira, 13 de junho de 2018

Justiça limita reajuste de planos de saúde individuais a 5,72%



Em 2015, 2016 e 2017, os reajustes permitidos pela agência superaram 13% ao ano (Thinkstock/VEJA)
Ação do Idec se baseou em relatório do TCU que aponta distorções, abusividade e falta de transparência na metodologia usada para calcular o reajuste
Por Redação https://veja.abril.com.br/economia/justica-limita-reajuste-de-planos-de-saude-individuais-a-572/
access_time13 jun 2018, 15h26 - Publicado em 13 jun 2018, 13h09

O juiz José Henrique Prescendo, da 22ª Vara Cível Federal de São Paulo, determinou que a Agência Nacional de Saúde Complementar (ANS) aplique a inflação do setor de saúde como teto para reajuste dos planos de saúdeindividuais e familiares em 2018. Dessa forma, a correção desses planos fica limitada a 5,72% – porcentual equivalente à variação do IPCA relativo a saúde e cuidados pessoais.
A decisão foi dada em ação civil pública ajuizada pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), que se baseou em relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) que aponta distorções, abusividade e falta de transparência na metodologia usada pela ANS para calcular o porcentual máximo de reajuste de 9,1 milhões de beneficiários de planos individuais. Em 2015, 2016 e 2017, os reajustes permitidos pela agência superaram 13% ao ano.
 “Essa decisão faz justiça aos milhões de consumidores lesados pela agência, seja por impedir que uma metodologia equivocada continue prejudicando consumidores em todo o país, seja por reconhecer que a agência vem, há anos, faltando com a transparência e privilegiando os interesses das empresas em detrimento dos consumidores” afirma em nota a presidente do Conselho Diretor do Idec, Marilena Lazzarini.
Segundo o Idec, a metodologia utilizada pela ANS para calcular o índice máximo é essencialmente a mesma desde 2001 e leva em consideração a média dos porcentuais de reajuste aplicados pelas operadoras aos planos coletivos com mais de trinta usuários. O problema é que os reajustes dos coletivos, base para calcular o aumento dos individuais, são informados pelas próprias operadoras à ANS e não são checados ou validados de forma adequada, de acordo com o relatório do TCU.
Na ação, o Idec aponta ainda outra distorção no cálculo dos reajustes aplicados desde 2009 aos planos de saúde. Com base no relatório do TCU, o Idec afirma que a ANA computou duas vezes o impacto dos custos com atualizações de procedimentos obrigatórios.
Procurada, a ANS informou que irá recorrer da decisão e que “repudia ações desprovidas de fundamentação técnica e que acabam causando comoção social e viés pró-judicialização de temas sob responsabilidade do órgão regulador”.
“A reguladora reafirma ainda que todas as suas decisões são baseadas em informações técnicas e que é preciso considerar que o setor de planos de saúde possui características específicas que influenciam a formação do percentual de reajuste, como a variação da frequência de utilização e variação de custos em saúde, crescente em todo o mundo”, afirma em nota

NOTA DO VIDA COM CÂNCER: dias depois a ANS entrou na justiça e derrubou a liminar.


Com câncer de mama, Ana Furtado revela luta contra queda de cabelo


Ana Furtado segue na luta contra câncer de mama (Crédito: Reprodução/Instagram)

Da Redação  https://istoe.com.br/com-cancer-de-mama-ana-furtado-revela-luta-contra-queda-de-cabelo/?utm_source=social_monitor&utm_medium=widget_vertical
12/06/18 - 15h33 - Atualizado em 12/06/18 - 16h17
2.9K

Há cerca de 15 dias, a apresentadora Ana Furtado revelou estar em batalha contra um câncer de mama. Nesta terça-feira (12), ela compartilhou uma mensagem emocionante no Instagram após realizar sua segunda sessão de quimioterapia.

“Ontem fiz minha segunda sessão de quimioterapia. E a sensação é de que essa foi menos difícil do que a primeira. Volto a dividir detalhes com vocês porque, ao mesmo tempo em que me fortaleço com as palavras de carinho que recebo, acredito que posso também encorajar pessoas que estejam passando por situações tão difíceis quanto o diagnóstico de um câncer”, escreveu.

Ana também comentou sobre o tratamento de crioterapia que ela tem feito na cabeça, que ajuda a diminuir a queda capilar causada pelas sessões de quimio.

“Na foto, estou sendo preparada para a crioterapia. Trata-se de uma técnica que utiliza uma touca recheada com gel térmico, atingindo temperaturas negativas (-10º, no meu caso). Esse resfriamento no couro cabeludo é muito doloroso, mas reduz a quantidade de quimioterápicos que chegam até os bulbos capilares, diminuindo a queda de cabelos. Antes, é preciso encharcar a cabeça para depois colocar a touca”, disse.

“Foram 4 horas e meia com o equipamento na cabeça: meia hora antes do início da quimio e 2 horas após o término dela. É difícil, mas, até agora, eficiente. Só tenho a agradecer a todos os médicos pelas orientações, apoio e carinho comigo”, completou.

terça-feira, 15 de maio de 2018

12 mitos e verdades sobre hábitos de vida relacionados ao câncer


Excesso de açúcar, sedentarismo e tabagismo são alguns dos fatores que podem aumentar o risco da doença
access_time14 maio 2018, 15h04
https://exame.abril.com.br/estilo-de-vida/12-mitos-e-verdades-sobre-habitos-de-vida-relacionados-ao-cancer/

São Paulo – É fato que os hábitos de vida que você tem podem ou não contribuir para o surgimento de algumas doenças, entre elas, o câncer. Um estudo recente divulgado pelo Observatório de Oncologia apontou que a doença é a principal causa de morte em mais de 500 cidades brasileiras e – coincidentemente ou não – a maioria delas está localizada em regiões desenvolvidas, onde a expectativa de vida é maior, mas o estilo de vida costuma ser mais frenético.

No país, o Instituto Nacional de Câncer (Inca) estima a ocorrência de 600.000 casos novos a cada ano para o biênio 2018-2019. Entre os mais jovens, de acordo com o Inca, o câncer já é a segunda maior causa de morte de pessoas entre 15 a 29 anos, perdendo apenas para “causas externas”, que envolvem óbitos por acidentes e violência.

Segundo Cristiano Guedes Duque, oncologista da Oncoclínica, um dos aspectos mais importantes para a prevenção do câncer diz respeito ao nível de evidências científicas que atribuem hábitos de vida ou exposição a substâncias ao desenvolvimento da doença.

 “A Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC), órgão da Organização Mundial da Saúde, estabelece uma série de critérios antes de classificar uma substância como carcinogênica, ou seja, capaz de provocar ou estimular o aparecimento do câncer em um organismo. Ao adotar hábitos de vidas saudáveis e evitar a exposição às substâncias relacionadas pela agência, evita-se não somente o câncer, mas também uma série de doenças potencialmente graves”, explica o especialista.

Ainda de acordo com Duque, uma dieta rica em açúcar, a obesidade, a exposição à fumaça do cigarro e o sedentarismo estão diretamente ligados ao risco de adoecimento e mortes relacionadas ao sistema cardiovascular, como o infarto agudo do miocárdio. “Em uma sociedade que passa por grandes mudanças relacionadas à alimentação e hábitos de vida, ficar atento aos itens relacionados ao câncer não somente ajuda a evitar essa doença, como também contribui para uma vida mais saudável”, afirma o oncologista.
Predisposição X estilo de vida
Também da Oncoclínica, a oncologista Adriana Scheliga lembra que o câncer é resultado de danos ou mutações genéticas que podem ocorrer no DNA das pessoas. Por isso, alguns tipos estão fora de nosso controle, determinados por defeitos genéticos e predisposições transmitidas de geração para geração, ou estimulados por mudanças genéticas pelas quais passamos ao longo da vida.
“Também sabemos, no entanto, que respirar certas substâncias, comer determinados alimentos e até mesmo usar alguns tipos de plásticos elevam o risco de desenvolver alguns tipos de câncer”, afirma Adriana.
Juntos, os especialistas listaram alguns mitos e verdades sobre hábitos de vida relacionados ao câncer. Confira a seguir:
1 – Tabagismo
Trata-se da principal causa no mundo inteiro de doenças e mortes evitáveis. Estima-se que o cigarro esteja relacionado à morte de quase a metade de seus usuários no longo prazo. Por isso, a recomendação é não fumar e não utilizar nenhuma forma de tabaco. A renúncia do tabaco é a forma mais eficazes na prevenção do câncer, já que ele está relacionado não só ao câncer de pulmão, como também aos de cabeça e pescoço, bexiga, mama, entre tipos.
2 – Tabagismo passivo
Também pode causar câncer e outras doenças crônicas, inclusive em crianças. Não se deve fumar dentro de casa. Devem ser estimuladas, por exemplo, medidas para que todos os ambientes de convívio social fiquem livres da fumaça do cigarro. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças Americano (CDC) afirma que os chamados fumantes-passivos, ou seja, aqueles expostos ao fumo passivo em casa ou no trabalho aumentam o risco de desenvolver câncer de pulmão em até 20% a 30%.
3 – Controle do peso
Manter o peso sempre controlado, o que inclui ter uma dieta saudável e praticar atividade física, pode reduzir em até 18% o risco do surgimento de câncer.
4 – Exercícios
O recomendável é que as pessoas se mantenham moderadamente ativas por pelo menos 30 minutos por dia. O tempo gasto na posição assentada deve ser reduzido.
5 – Dieta
De acordo com os especialistas, devem ser evitados alimentos com excesso de calorias (tanto por açúcar como por gorduras). O açúcar refinado branco, presente em doces, biscoitos e muitos produtos industrializados, quando consumido em excesso pode levar à obesidade, a alterações metabólicas e até ao desenvolvimento do diabetes mellitus. A obesidade pode aumentar o risco de desenvolvimento de câncer de mama, cólon e reto, esôfago, rim e pâncreas.
É importante lembrar, no entanto, que o açúcar está presente em diversos alimentos como componente natural essencial.
Alguns exemplos são a frutose nas frutas e a lactose nos derivados de leite. A utilização de açúcar isoladamente não pode ser considerada um fator de causa e efeito de câncer.
6 – Alimentos processados
Além do açúcar, qualquer alimento que venha em um invólucro de plástico e esteja industrialmente selado foi projetado para durar meses sem estragar. Cientistas na França recentemente demonstraram uma relação entre pessoas que comem mais alimentos processados e aqueles que desenvolvem câncer. Porém, ainda não há certeza se o problema são os ingredientes estabilizadores do produto, a embalagem plástica ou a combinação dos dois. Por isso, mais estudos são necessários para de fato comprovar a correlação de causa e efeito. Já alimentos como os embutidos (linguiças, salsichas, presuntos e apresuntados, entre outros) são apontados como grandes vilões.
7 – Álcool
Se a pessoa já possui esse hábito, deve procurar limitar a quantidade. O melhor para a prevenção do câncer é evitar o consumo de bebidas alcoólicas. O consumo de álcool regular pode aumentar o risco de câncer de cabeça e pescoço, fígado, mama e cólon. E esse risco aumenta conforme a quantidade ingerida, quanto maior o consumo, maior a chance, principalmente quando associado ao habito de fumar.
8 – Exposição ao sol
A luz solar natural é um agente causador de câncer de pele. No Brasil, segundo dados do o Inca, o câncer de pele não melanoma é o tumor mais frequente em ambos os sexos. A exposição excessiva e sem proteção, como aqueles que trabalham ao ar livre ou mesmo a exposição recreativa excessiva em praias e piscinas, deve ser evitada por meio do uso de protetores solares, roupas, chapéus e óculos protetores.
9 – Bronzeamento artificial
Não deve ser realizado também o bronzeamento artificial, pois existe de fato um aumento considerável do risco de desenvolver tumores malignos de pele em pessoas que utilizam a técnica, principalmente se hábito começou antes dos 35 anos.
10 – Carne vermelha
A Organização Mundial de Saúde (OMS) sugere que a carne vermelha possa estar ligada ao aumento do risco de câncer colorretal. Além disso, há algumas evidências que indicam que sua contribuição para o câncer pancreático e de próstata, embora essa evidência não seja tão forte.
As carnes defumadas e churrascos provavelmente também aumentam o risco de câncer, porque quando são assadas em fogo muito quente ou são fritas em altas temperaturas eliminam substâncias, como as aminas heterocíclicas e hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, que em contato com as chamas aumentam os produtos químicos cozidos na carne consumida.
Os pesquisadores não estão certos de que esses produtos químicos causem câncer. Contudo, em testes de laboratório, o DNA celular sofre mudanças que podem aumentar o risco de câncer.
11 – Trocar o dia pela noite
A Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer classificou o trabalho noturno como um provável fator desencadeador de câncer. Os pesquisadores acreditam que trabalhar à noite e ficar durante longas horas na escuridão podem atrapalhar os ciclos naturais de sono e vigília circadianos do corpo e, de alguma forma, estar ligados a um aumento do risco de câncer.
12 – Vacinação
Alguns tipos de vacina, como as contra a hepatite B e HPV, também podem evitar o câncer por isso, quando possível, vale a pena tomá-las.

quinta-feira, 3 de maio de 2018

Exame de sangue para câncer encontra oito tipos de tumores


Cientistas desenvolvem exame de sangue que detecta oito tipos de câncer em estágio inicial

Teste em estudo detectou cânceres nos ovários, no fígado, no estômago, no pâncreas, no esôfago, no reto, no pulmão e na mama.

Por France Presse
19/01/2018 08h19  Atualizado há 59 minutos

Um novo exame de sangue para o câncer se mostrou promissor para detectar oito tipos diferentes de tumores antes de eles se espalharem para outras partes do corpo, oferecendo esperança de detecção precoce, disseram pesquisadores nesta quinta-feira (18).

Mais estudos são necessários antes de que o teste, chamado CancerSEEK, possa se tornar amplamente disponível por um custo projetado de cerca de US$ 500, disse o estudo publicado na revista científica americana Science.

O estudo, liderado por pesquisadores da Universidade Johns Hopkins, envolveu 1.005 pacientes cujos cânceres - já pré-diagnosticados com base em seus sintomas - foram detectados com uma taxa de precisão de cerca de 70% no total.

Os cânceres foram detectados nos ovários, fígado, estômago, pâncreas, esôfago, cólon ou reto, pulmão e mama.

Para cinco desses tipos de câncer - ovário, fígado, estômago, pâncreas e esôfago - não há exames de rastreio disponíveis para pessoas de risco médio.

O exame foi capaz de detectar esses cinco tipos com uma faixa de sensibilidade de 69% a 98%.
Em 83% dos casos, o exame foi capaz de delimitar onde o câncer estava anatomicamente localizado.

O teste é não invasivo e baseado na análise combinada de mutações de DNA em 16 genes de câncer, bem como dos níveis de 10 biomarcadores de proteínas circulantes.

"O objetivo final do CancerSEEK é detectar o câncer ainda antes - antes de que a doença seja sintomática", afirmou o estudo.

Reação de especialistas: mais estudos são necessários
Especialistas de fora do estudo disseram que é necessário que haja mais pesquisas para descobrir a verdadeira precisão do teste e se este seria capaz de detectar cânceres antes do aparecimento de sintomas.

"Isso parece promissor, mas com várias ressalvas, e uma quantidade significativa de pesquisa adicional é necessária", disse Mangesh Thorat, vice-diretor da Unidade de Ensaios Clínicos Barts da Universidade Queen Mary de Londres.

"A sensibilidade do teste no câncer de estágio I é bastante baixa, cerca de 40%, e mesmo nos estágios I e II combinados parece ser em torno de 60%. Portanto, o exame ainda vai deixar escapar uma grande proporção de cânceres no estágio em que nós queremos diagnosticá-los".

Nicholas Turner, professor de oncologia molecular no Institute of Cancer Research, em Londres, apontou que a taxa de falso positivo de 1% do teste pode parecer baixa, mas "poderia ser uma preocupação significativa para o rastreamento da população. Poderia haver muitas pessoas que são informadas que têm câncer que talvez não tenham".

No entanto, Turner descreveu o artigo como "um passo ao longo do caminho para um possível exame de sangue para detectar câncer, e os dados apresentados são convincentes a partir de uma perspectiva técnica sobre o exame de sangue".

Muitos outros esforços estão em andamento para desenvolver exames de sangue para o câncer.
"Eu não acho que esse novo teste realmente tenha movido o campo da detecção precoce muito para a frente", disse Paul Pharoah, professor de epidemiologia do câncer na Universidade de Cambridge.

"Continua sendo uma tecnologia promissora, mas que ainda deve ser comprovada".

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Nove são presos por desviar remédios de alto custo para tratamento de câncer em 3 estados e no DF

Investigação aponta que grupo conseguiu R$ 16,5 milhões ao revender medicamentos para hospitais e clínicas entre setembro de 2014 e maio de 2016.


Por Bruno Tavares e Robinson Cerântula, TV Globo e G1 São Paulo
31/01/2018 07h40  Atualizado há menos de 1 minuto
Nove pessoas foram presas na manhã desta quarta-feira (31) acusadas de desviar medicamentos de alto custo de órgãos públicos. A investigação aponta que o grupo conseguiu R$ 16,5 milhões ao revender medicamentos para hospitais e clínicas entre setembro de 2014 e maio de 2016.
Os nove mandados de prisão e 16 de busca e apreensão da operação Medlecy 2 foram cumpridos em São Paulo, Goiás, Espírito Santo e Distrito Federal. Eles foram presos pelas práticas de organização criminosa e crime contra a saúde pública.
A operação coordenada pela Corregedoria Geral da Administração, do Governo do Estado de São Paulo, e o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público, é desdobramento das investigações iniciadas em abril de 2015 em Bauru, no interior paulista, que apurou a atuação de grupo criminoso.
Segundo essa primeira investigação, os criminosos conseguiam medicamentos de alto custo de origem ilícita, como furto, roubo e desvio de órgão público, para, em seguida, por meio de empresas de fachada, promover a venda desses medicamentos a clínicas e hospitais. Nesta operação, nomeada de Medlecy, foram cumpridos 12 mandados de prisão e oito continuam presos.
Ao término dessa investigação, que durou cerca de um ano, o Gaeco ofereceu denúncia contra 15 pessoas residentes em Piratininga, Bauru, São Paulo, Campinas, Ribeirão Preto e Goiânia por organização criminosa, crime contra a saúde pública e receptação dolosa qualificada.
Após essa primeira investigação do Gaeco, a Corregedoria identificou que caixas dos medicamentos de alto custo recuperadas durante a operação inicialmente tinham sido vendidas à Secretaria de Estado da Saúde para o tratamento de câncer. Pelos valores de aquisição, cada caixa custava cerca de R$ 8 mil.
A Corregedoria também identificou que um dos investigados é funcionário público do estado de São Paulo e trabalha como motorista no Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Entre abril e maio de 2016, o servidor teria recebido R$ 125 mil em depósitos bancários.
Paralelamente ao cumprimento dos mandados, estoques das farmácias de alguns hospitais estaduais foram vistoriados.


19/05/2016 15h45 - Atualizado em 19/05/2016 17h57
Quadrilha que desviava remédios participava de licitações, diz Gaeco
Foram apreendidos R$ 4 milhões em medicamentos de alto custo.
Doze pessoas foram presas na operação no interior de São Paulo.
Do G1 Bauru e Marília
quadrilha presa nesta quinta-feira (19) em uma operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Bauru (SP), contra fraudes em notas fiscais de medicamentos de alto custo, é suspeita de desviar medicamentos para tratamento de câncer de hospitais e depois participar de licitações para vender os produtos para instituições de saúde. A operação é realizada em conjunto com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a Polícia Militar.
As investigações apontam que um distribuidor de medicamentos receberia esses produtos, desviados com a ajuda de funcionários de instituições de saúde, e entraria em processos de licitação para vendê-los aos hospitais, segundo o Gaeco.
Já foram apreendidos R$ 4 milhões em medicamentos, a maioria de uso restrito de hospitais. Em nota, o Gaeco informou que 11 pessoas foram presas preventivamente e uma está em prisão domiciliar. Seis prisões ocorreram em Piratininga e Bauru, três em Ribeirão Preto, uma em Campinas, uma em São Paulo e uma em Goiânia (GO).
Segundo as investigações, que começaram há um ano, um funcionário desviava medicamentos da Santa Casa de Araraquara e vendia os remédios por preços bem abaixo do mercado. A Anvisa começou a suspeitar desse desvio e procurou o Gaeco que junto com o serviço de inteligência da Polícia Militar iniciou as investigações em várias cidades do estado de São Paulo e também em Goiânia.
Remédios na casa
Boa parte dos medicamentos apreendidos foi encontrada em uma casa que fica na Vila Indepedência, bairro de Bauru (SP). Segundo o sargento da PM, Jairo Constâncio, os medicamentos, a maioria para usada no tratamento de câncer, eram estocados na casa até serem distribuídos.
No bairro Ferradura Mirim, também em Bauru, foram encontrados muitos medicamentos em um escritório e duas pessoas foram presas.    
Gaeco também cumpriu um mandado de busca e apreensão na residência de um funcionário da Santa Casa de Araraquara. Na casa do funcionário, no bairro Santa Angelina, os policiais que participaram da ação encontraram três caixas do medicamento Glivec, utilizado no tratamento de pessoas com câncer, com custo estimado de R$ 5 mil cada.
O suspeito não estava no imóvel e a equipe foi até o escritório dele na Santa Casa para realizar novas buscas, mas ele também não foi encontrado no hospital. A esposa do funcionário foi levada para a Delegacia de Investigações Gerais (DIG) e está prestando depoimento.
"Ele não foi localizado, mas, após uma minuciosa busca na residência, foram localizadas três caixas de remédios com valor estimado no mercado de R$ 15 mil, então, de certa forma, a operação foi um sucesso e agora as investigações da DIG e do Gaeco com certeza vão colaborar para descobrir como é a ramificação desse grupo criminoso", disse o tenente da Polícia Militar Richard Braga de Oliveira.
Em nota, a Santa Casa de Araraquara ressaltou que o investigado é o funcionário e não a instituição e que o trabalhador em questão foi afastado imediatamente das funções que exercia. A nota esclarece ainda que a Santa Casa abriu às portas para a ação da polícia e tem colaborado com as investigações do Ministério Público.
Entenda a operação
O Gaeco de Bauru, em conjunto com integrantes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e da Polícia Militar, promoveu nesta quinta-feira (19) uma 
operação para prender uma quadrilha suspeita de fraudar notas fiscais de medicamentos de alto custo e vender os produtos no mercado.
Só em um dos locais vistoriados foram apreendidos caixas de medicamento que custam em média R$ 5 mil cada. Carros de luxo utilizados pelo grupo também foram apreendidos em Piratininga. Foram cumpridos 37 mandados de prisão, busca e apreensão em Bauru, Piratininga, Arealva e Agudos, além de Ribeirão PretoCampinasGuarulhosJundiaíMonte Mor, Araraquara, São PauloOsasco, e Goiânia.
Os integrantes da quadrilha podem responder por organização criminosa, crime contra à saúde pública e receptação dolosa qualificada.